Siga-nos

Entrevistas

Palmeron considera elenco temporariamente fechado e lamenta não concretizar parceria

Publicado

em

Ao menos por enquanto o elenco do Guarani que votará à disputa da Série B do Campeonato Brasileiro está fechado, quem afirmou isso foi o presidente do Conselho de Administração, Palmeron Mendes Filho, em entrevista a Radio Bandeirantes onde ele falou sobre alguns assuntos, além deste, a expectativa do clube para a volta da competição e também a situação financeira do Guarani.

Você pode conferir a íntegra esta entrevista em áudio abaixo.

“O Guarani sempre estará atento ao mercado, nós tínhamos a projeção de contratação agora na parada, o plantel ainda está um pouco inchado, temos um número grande de atletas e sabemos que isso não é o ideal pra o treinador trabalhar, mas logicamente se aparecer um nome de consenso em posições carentes o Guarani estará de portas abertas”, ou seja, está mas não está.

E com a reformulação feita no elenco durante a paralisação para a disputa da Copa América o time, na opinião de Palmeron, consegue deixar a briga contra o Z4 pra brigar um pouco acima da tabela: “Na minha opinião nos reforçamos o suficiente pra deixarmos a vice lanterna e brigar no bloco de cima. Pra acesso, pra brigar pelo acesso ainda precisaremos da chegada de outros atletas. Nessa parada e com a chegada do Roberto é o momento de análise, de disputarmos alguns jogos, mas creio que para o início do segundo turno os times se reforçarão e o Guarani pensa nisso também”.

Ainda nesse assunto, Palmeron acredita que o time precise de um jogador que ele chamou de “com mais rodagem”: “Alguém um pouco mais experiente, com um pouco mais de rodagem, existe isso nos nossos planos, mas precisamos analisar também o desempenho do time com a chegada desses atletas”.

Duas questões surgiram, se o Guarani anda procura um atacante “fazedor” de gols e qual a origem dos recursos usados pelo clube para estas contratações recentes: “Esperamos que os atleta que chegaram consigam resolver, o Michel Douglas chega com essa função específica e tem outros atacantes chegando, tem meias também que tem familiaridade com o gol. Já o dinheiro sai do nosso orçamento mesmo, temos alguns atletas saindo e outros chegando, com isso o Guarani mantem sua folha salarial num nível previsto no início do campeonato”.

“O Guarani tem uma diretoria de futebol e a partir da chegada do Roberto conversamos todos os dias, estamos presentes em todos os treinos e todos os nomes vem com a aprovação do Roberto Fonseca”.

Voltando a falar sobre o inchaço do elenco, ele admitiu que jogadores deixarão o elenco: “Já fechamos, mas isso tratamos internamente até pra evitar especulação e evitar questões judiciais, mas temos esse raio-x tratado internamente”, disse Palmeron, que em seguida negou que o clube tenha 38 jogadores no elenco atual (na verdade são 39, contando com dois atletas que estão entregues ao departamento médico):

“Creio que hoje estamos com 34, a conta exata é 34 e o ideal é trabalhar com 30 jogadores”.

Esperando um público em torno de seis mil pessoas no amistoso contra o Palmeiras, ele confirmou que o clube recebeu valores pela transmissão do jogo contra o Palmeiras: “Creio que teremos em torno de seis mil pessoas, hoje colocando os sócios campeões estamos na casa de cinco mil”.

Ainda durante a entrevista ele foi questionado especificamente sobre a matéria que fizemos aqui no Planeta Guarani após a divulgação da análise da empresa Pluri Consultoria sobre a situação financeira do clube. Discordou de alguns pontos, concordou com outros:

“Esse passivo trabalhista não é o real, eles colocam como trabalhista muito do tributário, nestes 73% de dívidas trabalhistas eles colocam despesas com INSS, FGTS e outros tributos federais, nosso passivo tributário hoje é o maior, o trabalhista está controlado. Temos que lembrar que este passivo foi construído nos últimos 30 anos sendo 20 anos de más gestões, pra gerir um clube destes é com criatividade, muito profissionalismo, muitas dificuldades, o que explica, mas não justifica, a s dificuldades que temos em contratações e infelizmente o Guarani ainda não se encontra preparado pra trabalhar e estudar uma parceria com investidores”.

“Foi por conhecer a fundo essa situação que fomos atrás de investidores, mas os associados entenderam que não é o momento ainda, vamos aguardar o momento certo, mas é só mediante uma boa parceria que o Guarani conseguirá se reerguer”, concluiu Palmeron.

Marcos Ortiz

Copyright © Planeta Guarani - Todos os Direitos Reservados - Permitida Divulgação Apenas com Preservação da Fonte - Desenvolvido por: OZ Sites.