Siga-nos

Entrevistas

Loss confirma mudanças no time em busca de melhora defensiva e ofensiva, mas mantém sigilo na escalação

Publicado

em

Foto: Letícia Martins - Guarani FC.

Em sua entrevista coletiva nesta sexta feira o técnico Osmar Loss comemorou a semana de preparação que teve para a próxima partida, confirmou que time terá mudanças, mas mais uma vez definiu pelo sigilo na escalação.

Você pode conferir a íntegra da entrevista no player.

 

 

“Pra nós essa semana foi muito boa, a gente pode, além de recuperar quase 100% da parte física, tivemos a perda do Amorim, mas 100% dos que estão á disposição (recuperaram) a parte física. Pudemos enfrentar um time que vai jogar a Libertadores, optamos por períodos curtos pra que pudéssemos treinar efetivamente ontem e hoje e agora é pensar 100% no Botafogo até domingo, a partir desse jogo pensar na Copa do Brasil”, disse Loss, lembrando que na próxima semana o Bugre enfrenta o Avenida na primeira fase da Copa do Brasil.

O goleiro Kléver estará entre os relacionados, segundo o próprio treinador: “Ele vai pro jogo, está recuperado, tem treinado normalmente, feito tratamento pra não agravar e melhorar um pouco a dor que sente. Uma luxação ás vezes é mais sério que uma fratura dependendo do local”, mais adiante na entrevista Loss praticamente confirmou a volta de Giovanni ao gol: “É bom a gente frisar que o Giovanni saiu por um motivo de prevenção, ele está recuperado, a tendência é a manutenção dele neste momento”.

Loss também aproveitou a entrevista coletiva para falar sobre a tragédia acontecida nesta manhã no centro de treinamentos do Flamengo: “É algo que nos faz pensar em tudo, não só no futebol. Por estarmos no futebol nos afeta mais como foi a tragédia da Chapecoense, mas são coisas que nos fazem pensar na nossa família, na vida, no tempo que estamos aqui e o quanto temos que fazer valer pra nós, pros mais próximos e praqueles a quem representamos alguma coisa. A essência do futebol é acalmar os ânimos de quem sofre no Brasil, ele traz uma alegria àqueles que não tem por algum motivo e quando a gene vê uma situação como essas nos faz repensar, só temos que desejar todos os nossos sentimentos pros familiares, pro Flamengo e pro futebol brasileiro, que tenham forças e se mantenham firmes e fortes pra poderem, neste momento de dor, continuar”.

Questionado sobre a entrada de Fernando Viana no lugar de Felipe Amorim, ele confirmou que não revelará a equipe: “Nós já decidimos, já temos a equipe determinada a não ser que aconteça algo fora do normal no treino de amanhã. Teremos algumas mudanças sim, espero que elas sejam pra tornar aquilo que a gente gostaria de melhor na equipe, melhorar a parte ofensiva, a parte defensiva, é pra isso que estamos mudando”.

Depois de lamentar a lesão de |Felipe Amorim, o treinador falou também sobre a defesa: “A gente ainda está com o Amorim, o Lenon e o Carlinhos ainda sob cuidados do departamento médico, mas o restante do grupo temos todo á disposição e isso é muito bom pro treinador e pra comissão técnica porque a gente pode escolher, nem por questão técnica, às vezes é física, às vezes é por entrosamento de dupla, quantas vezes vimos duplas formadas por aqueles que são os melhores e não deu certo, enquanto quem ninguém esperava se torna uma dupla de defesa que fica marcada nos clubes. Isso acontece também nos atacantes, a gente tem duplas famosas na história do futebol, precisamos encontrar esse grupo que se encontre dentro do campo no olhar”.

Ao falar sobre o último jogador anunciado, o atacante Álvaro, é inevitável questionar na cabeça porque trazer um atleta jovem do Inter-RS e não dar oportunidade, por exemplo, a Matheus Davó, que despontou na Copa São Paulo. Esta pergunta surge na cabeça do Torcedor pela resposta que o técnico deu sobre as características do atacante de 21 anos:

“Ele é um jogador polivalente, mas que, ainda mais agora com o Fernando Viana estando `{a disposição e o Anselmo que a gente espera que logo esteja também, vamos começar a usá-lo mais pelos corredores do campo. ele tem força, muita presença de área, pode jogar de 9, já fez isso no Salgueiro, mas pode jogar de lado como vinha jogando no Inter, vamos definir se vamos usar mais no corredor, mas ele pode dentro do jogo trazer pra dentro e trabalhar com dois centroavantes, algo que a gente faz quando é necessário tornar o time mais ofensivo”.

Outro fator que o treinador comemorou foi o retorno ao Brinco de Ouro no jogo que marcará exatamente a metade do campeonato e poderá deixar o Bugre com 10 pontos na classificação: “Seria decisivo, é importante pra todos os nossos objetivos, a gente pode chegar a dez pontos com seis rodadas, no meio do campeonato e isso nos coloca na luta por classificação, esse é o nosso objetivo. Eu gostaria de jogar 100% dos jogos aqui, independente do nosso último resultado. A gente poder jogar com a nossa Torcida, no campo que a gente está habituado a treinar no nosso dia a dia, todos os nossos recursos estão aqui, que bom, se todo mundo quiser fechar que a gente vai jogar todos os jogos aqui porque perdemos do Oeste no jogo anterior eu assino agora pra todos os clubes jogarem no Brinco”, concluiu o treinador Bugrino.

 

 

Marcos Ortiz

Advertisement


Entrevistas

Ricardinho prevê boa Série B, elogia elenco e jogadores da base: “Molecada muito boa”

Publicado

em

Por

Foto: Letícia Martins - Guarani FC.

E depois do jogo treino que terminou com empate por 1×1 com o São Caetano na manhã deste sábado, o volante Ricardinho também falou analisando a preparação da equipe e o desempenho nestas partidas preparatórias para a Série B do Brasileiro.

Você pode ouvir esta entrevista no player abaixo:

“Acho que já existe uma evolução, claro que os jogos são diferentes dos treinamentos, mas acho que do primeiro amistoso que a gente fez até agora já houve uma preparação e uma evolução mais intensa. Hoje, principalmente no segundo tempo acho que as melhores chances foram nossas de poder fazer os gols e poder caprichar nos detalhes, mas do início da preparação até agora a gente se sente mais ofensivo, a evolução é notória e a gente espera concretizar isso com uma boa vitória na estreia”, disse o volante que tende ser o capitão da equipe.

“Nossa equipe chega num estágio bacana porque a maioria dos jogadores que estavam aqui já estavam em ritmo de competição e agora estamos tendo tempo pra preparação física, treinar taticamente também com um pouco mais da cara que o Vinícius pede. Tem coisas que somente a competição vai trazer pra gente, confiança, trazer o Torcedor pro nosso lado, acho que todas as equipes que conseguiram sucesso na Série B estavam com o torcedor apoiando e isso depende de nós, esperamos na primeira rodada dar alegria e passar confiança pro nosso Torcedor ao ver a gente jogar”.

Para Ricardinho o Torcedor pode esperar um time ofensivo: “A gente espera um time ofensivo que seja intenso, já começamos a mostrar um pouco disso no jogo contra o Mirassol, era decisivo, estávamos ganhando de 2×0 e depois nos expusemos, mas esperamos ser intensos, ofensivos, jogar de uma forma que a Torcida do Guarani gosta e pede, ela quer ver o time atacando, jogando pra frente, a gente espera dar conta do recado”.

“Acho que hoje no segundo tempo a equipe também pressionou bastante, tivemos as melhores chances de gol do jogo, levamos um gol em mais uma coisa que precisa ser corrigida que é o time adversário ter uma chance, ir lá e fazer um gol na gente. Temos volume, chutamos, perdemos gol dentro da pequena área, precisamos corrigir, ter um time mais malandro, mais decisivo pra conseguirmos as vitórias e a confiança necessária pra fazermos um grande campeonato”.

E para ele os resultados ruins na Copa do Brasil e as eliminações no Paulista e no torneio do interior são coisas do passado: “Ficou pra trás, a gente teve um tempo bacana pra trabalhar também nesse sentido (emocional), jogadores tem chegado pra nos dar confiança pra agregar ainda mais valor e potencial, isso é necessário ainda. A gente espera fazer uma outra história, a competição é diferente, a equipe está bem motivada pra isso, é uma grande oportunidade novamente pra carreira de todos nós. Esperamos fazer um campeonato muito bom agora na Série B”.

O volante também falou sobre as chegadas dos novos jogadores: “O Éder (Luís) chegou ontem, a primeira vez que eu o vi já foi no jogo, o Xandão fez apenas um treinamento, enfim, a gente precisa de mais peças, sem dúvidas, a diretoria precisa se mexer e tem feito os esforços necessários. Vejo com bons olhos, são jogadores que vão nos ajudar bastante, o Xandão é da casa, tem uma liderança bastante positiva, o Éder é um jogador que por onde passou foi vencedor. A gente espera que cada um que chegar possa honrar a camisa do Guarani, sentir prazer e a alegria de estar aqui jogando, esperamos colocar o Guarani novamente na elite do futebol brasileiro”.

Alem dos reforços, o time também tem à disposição uma boa quantidade de jogadores vindos das categorias de base e Ricardinho também falou sobre os meninos que estão no elenco: “É uma molecada boa, trabalhadora, humilde, escuta bastante. O Bidu, o Mateusinho, o Renanzinho, o Acorsi também vem treinando no dia a dia. Converso muito com eles e são moleques que ouvem, isso é muito difícil no futebol de hoje em dia, na maioria das vezes a molecada já sobe com um pensamento um pouco elevado, um salto alto, mas aqui não, são bons, escutam bastante, hoje o Bidu entrou e conseguiu dar sua contribuição, fez o gol, ele treina bastante. Acompanhando os treinamentos todos vão poder perceber que ele quando acabam os treinos eles estão sempre trabalhando um pouco a mais, converso bastante com o Mateusinho nesse sentido e espero que eles possam dar muita alegria ao Torcedor Bugrino também no profissional”, concluiu.

 

Marcos Ortiz

Continue Lendo

Entrevistas

Eutrópio vê time em evolução gradativa e garante: “Nos jogos oficias a bola vai entrar”

Publicado

em

Por

Foto: Letícia Martins - Guarani FC.

Depois de comandar o Guarani no terceiro jogo treino em preparação para a estreia na Série B do Campeonato Brasileiro que acontece no próximo sábado às 16:30 no Brinco, o técnico Vinícius Eutrópio analisou a atuação da equipe, garantiu que ainda não tem um time titular definido e que a falta de vitórias não o preocupa, em uma rápida entrevista coletiva após a partida.

Você pode conferir no player abaixo:

 

“Estou muito feliz, enfrentamos um adversário com uma marcação muito forte, nosso time propôs o jogo, trabalhou em cima na pressão os 90 minutos. Nosso time incorporou isso, tivemos o domínio total e perdemos várias chances”, assim o treinador analisou a atuação da equipe no empate por 1×1 com o São Caetano.

“Perder várias chances é o menos importante, o mais importante é o espírito que a equipe realmente incorporou e é isso o que a gente vai querer e vai cobrar e nós vamos fazer na Série B”.

Perguntando sobre os pontos negativos da equipe, ele minimizou: “Muito pouca coisa, eles tiveram uma chance e fizeram, houve falhas nossas, mas o que eu não gostei é que criamos muito e só fizemos um, foram muitas chances desperdiçadas. Com tranquilidade e traduzindo o nosso domínio e essas chances em gol vamos conseguir as vitórias fácil”.

Ao responder sobre a tendência de a equipe que iniciou o jogo treino ser a base titular, Eutrópio afirmou que não tem ainda um time definido: “Quem iniciou não está garantido não, fiz várias trocas, puxei o Arthur pra segundo (volante) numa eventualidade na falta de um volante porque não gosto de volante fixo, testamos outras variações e o time , como todo mundo entrou bem, principalmente no segundo tempo, está aberto ainda, a chance está aberta pra todos”, garantiu.

O gol Bugrino foi marcado por Bidu, lateral esquerdo vindo da base, numa bela cobrança de falta e Eutrópio falou sobre a atuação do jogador: “Pra gente que o acompanha no dia a dia não chega a ser uma surpresa, é uma comprovação de que ele vai ter um bom caminho, temos que tratar com carinho não só ele como todos os outros. Eu sempre digo, tem condição, está pedindo passagem, vai jogar”.

O time não venceu nenhum dos jogos treino, perdeu o primeiro e empatou os dois seguintes, marcou seu primeiro gol neste último jogo treino. Para o treinador isso mostra um “crescimento gradativo”: “Os resultados foram gradativos, nós demos muita carga de trabalho na primeira semana, na segunda já trabalhamos melhor contra um time mais forte e essa semana, contra um time mais forte que inclusive venceu o time reserva do São Paulo que é forte nessa semana nós demos vários passos à frente, principalmente nessa semana”.

“Pontos positivos, o espírito, encarnamos o que a gente quer, um time ofensivo, um time que marca adiantado e que não tem medo de jogar, é isso que a gente quer propor. A vitória realmente não vieram por detalhes, mas com certeza nos jogos oficiais a bola vai entrar”, concluiu o técnico Bugrino.

 

Marcos Ortiz

Continue Lendo

Entrevistas

Treinador espera chegada de reforços para essa semana e considera trabalho evoluindo

Publicado

em

Por

Foto: Letícia Martins - Guarani FC.

Na manhã desta segunda feira, o técnico Vinícius Eutrópio alou em entrevista a Radio Bandeirantes Campinas e respondeu questões dos mais diversos âmbitos há 12 dias da estreia do clube na Série B do Brasileiro.

“A gente está no meio (da preparação), faltam duas semanas e e as duas primeiras passaram. Nas primeiras a gente focou mais nos jogadores, nas saídas e agora a gente deve focar mais na chegada de jogadores pra que a gente possa ter ao menos na última semana um grupo bem encorpado pra que a gente possa ter uma boa estreia no Brasileiro”, disse o treinador, resumindo como foram as duas primeiras semanas de trabalho.

Eutrópio analisou a atuação do Guarani no jogo treino do último sábado, principalmente comparando ao primeiro jogo treino contra o Rio Branco: “Sem dúvida (houve evolução), primeiro os objetivos são diferentes, na primeira semana tivemos muita carga de trabalho, muita ênfase na pegada, na marcação e na agressividade, numa postura totalmente diferente da equipe e a gente meio que abandonou a parte técnica, os conceitos e colocou muita pegada e competitividade, o que todo mundo detectou que precisava. Já na segunda semana começamos a explorar os conceitos técnicos, de marcação e de posse de bola com um adversário muito melhor, o Ituano bem trabalhado que já tem um trabalho de longo prazo e nós nos saímos muito bem”.

“Tivemos dificuldades e é normal ter porque jogamos contra um time bem montado, mas também conseguimos chegar ao gol várias vezes, perdemos um pênalti, nossa equipe em 70 minutos enfrentou basicamente duas equipes e fisicamente se portou bem contra as duas porque o Ituano fez uma troca total com 38 minutos. Tenho certeza que um passo já foi dado, mas esperamos contar no mínimo nessa semana com quase todo o elenco pra podermos ganhar conjunto e trabalho nesses últimos 15 dias, já esperamos poder utilizar isso (reforços) no campo, vai ser nosso último treino e é fundamental que possamos colocar o maior número possível do que a gente visualiza pra estreia nesse último jogo”, disse o treinador.

Um dos jogadores mais contestados pela Torcida e imprensa é o meia Rondinelly de quem o treinador disse que espera o melhor, e ele falou especificamente sobre esse atleta na entrevista: “Vou tirar do Rondinelly o que ele tem de melhor, se ele tem a qualidade, se ele tem essa capacidade e todo meia que tem qualidade é um pouco mais tranquilo na marcação, porque isso é histórico e por isso eles são meias ou atacantes, o que a gente tem que fazer é que ele tenha tranquilidade quando está com a posse de bola pra usufruir a qualidade dele, mas que sem a posse de bola ele seja tão competitivo quanto são todos os outros. Gosto de dizer que no grupo eu trabalho assim, já peguei muito jogador que desliga na marcação e as pessoas ficam assim, vai, vai marcar, tem que marcar, mas eu não, acho que isso chama negativamente o jogador, o que eu costumo dizer nos treinos é quando ele tem um treino e perde a bola, mas marca eu falo muito bom, valeu, isso mesmo, você tá fazendo certo, porque as pessoas gostam de ser elogiadas”.

“Assim Automaticamente o sub consciente dele quando ele perder uma bola e correr pra marcar vai receber um elogio do chefe, estamos estimulando positivamente o jogador. Esse é um conceito que a gente tem e eu trago de outros trabalhos, mas é o que vamos fazer, tirar o melhor de cada um. Não vai ser de uma hora pra outra porque ninguém tem esse poder mágico, mas podemos conscientizar o jogador pra ele saber que isso é importante pra vida profissional dele, se ele quiser mudar isso já é um grande passo”, defendeu o treinador, praticamente apresentando uma “tese de adestramento”.

Questionado sobre o perfil dos reforços que ele espera receber, ele considerou: “Os reforços tem que ser pontuais por dois motivos, um porque ninguém tá nadando em dinheiro, dois porque não adianta encher o grupo. A gente também detectou e é de comum acordo e estamos buscando esses jogadores, talvez demore um pouco mais exatamente pra não simplesmente trazer por anunciar, inchar o grupo. Tem jogadores, por exemplo com a saída do Thiago Ribeiro tentamos um jogador com experiência, com qualidade e que seja melhor que o Thiago sem ter tanto dinheiro no mercado, nós temos que ter isso, a camisa do Guarani é forte e em cima disso conseguimos abordar o jogador e convencê-lo a vir pra cá”.

Ao ser questionado sobre o uso das categorias de base ele repetiu o discurso de que são jogadores que precisam de mais maturidade pra poderem jogar pelo time profissional: “Subir para o profissional é algo que mudou radicalmente sua vida, ele sempre jogou contra garotos da sua idade, sempre teve uma tranquilidade de ficar dois anos na mesma categoria e isso tem que ser planejado. A gente vê muitos jogadores brilharem nas categorias de base e se perderem nessa última transição justamente porque não tem esse planejamento, então, tendo toda essa vivência que eu tenho com o clube e com a expectava para esse jogador, a primeira coisa é montar um planejamento de transição pra que a gente não perca jogador, se ele vai jogar com uma partida, três meses ou depois de dois anos, isso vai da capacidade dele de adaptação, de superar e ter o seu espaço. Um exemplo prático e rápido é o Mateusinho, cada jogador tem seu nível e dentro desse nível responde melhor, ele já respondeu, o que não quer dizer que um menino que esteja trabalhando e não esteja respondendo não está sendo cuidado, pelo contrário, vamos cuidar sim”.

Ao longo da entrevista o treinador repetiu outras vezes que tem que trabalhar com a realidade e os nomes que tem á disposição, até mesmo ao falar sobre uma possível saída de atletas, casos específicos de Diego Cardoso e Anselmo Ramon. Eutrópio afirmou que mesmo reconhecendo ser complicado repor peças no decorrer do campeonato, não pode se recusar a trabalhar com o que tem em mãos e levar a campo sempre o que considerar melhor.

 

Marcos Ortiz

Continue Lendo
Advertisement

Guarani 2×1 São Caetano – Imagens do PG


	
	
	

Clique para ativar o som

Próxima Partida – 27/04 16:30

Brasileiro - Série B

Guarani FC X Figueirense-SC

Estádio Brinco de Ouro da Princesa
Campeonato Brasileiro - Série B

+ Recentes

Copyright © Planeta Guarani - Todos os Direitos Reservados - Permitida Divulgação Apenas com Preservação da Fonte - Desenvolvido por: OZ Sites.