Siga-nos

Campeão Brasileiro – 1978

O Campeonato Brasileiro de 1978 – V Copa Brasil, contou com 74 clubes, que na primeira fase foram divididos em 6 grupos, sendo 4 grupos com 12 times e 2 grupos com 13 times, classificando-se para a segunda fase os 6 primeiros de cada grupo, formando 36 times divididos em 4 grupos de 9, classificando-se para o 1.o turno da fase final os 6 primeiros de cada grupo mais o 1.o colocado de cada grupo da fase preliminar classificados numa repescagem, juntamente com o melhor 2.o colocado, mais o São Paulo campeão do ano anterior que caso ficasse entre os 6 primeiros colocados do seu grupo na fase preliminar, abriria uma vaga para o melhor 7.o colocado entre os 4 grupos com 12 times, as vitórias por 3 gols ou mais de diferença valiam 3 pontos.

O Campeonato se arrastou por quatro meses durante a primeira, a segunda fase e o 1.o turno da fase final, no 1.o turno da fase final os 32 times foram divididos em 4 grupos de 8, classificando para o 2.o turno da fase final os 2 primeiros de cada grupo, Com tantos times participando o nível técnico foi muito fraco, com um público mais interessado na Copa do Mundo da Argentina, que foi disputada paralelamente a segunda fase, durante o mês de junho, terminando no dia 25, com a final Argentina 3 x 1 Holanda, até que o Campeonato chegou no 2.o turno da fase final, onde em apenas três semanas, seis rodadas emocionantes com os times jogando completos com a volta dos jogadores convocados definiriam o Campeão Brasileiro.

O critério do 2.o turno da fase final foi de partidas de ida-e-volta, com partidas nos dois campos, no caso de empate por pontos ganhos, após dois jogos vale o saldo de gols referente às duas partidas.
Persistindo a igualdade, considerava-se:

1) Maior número de pontos no Campeonato.
2) Maior número de vitórias no Campeonato.
3) Maior saldo de gols no Campeonato.
4) Maior número de gols no Campeonato.
5) Sorteio.

O Guarani de 78

Um time técnico, que foi melhorando de produção durante o transcorrer do Campeonato, que começou a disputa sendo derrotado na estréia em casa para o Vasco da Gama por 3 a 1 e depois só perdeu mais uma vez na 1.a fase, para o Volta Redonda, fora de casa, por 2 a 0. Aplicou duas goleadas em casa, contra o Confiança por 5 a 0 e para o Itabuna da Bahia por 7 a 0 e entre esses dois jogos venceu a Ponte Preta também em casa por 2 a 1. Encerrando a fase em 5.o colocado no grupo, com 16 pontos, cinco vitórias (nenhuma fora de casa), quatro empates (todos fora) e apenas duas derrotas.

Na 2.a fase o time teve mais dificuldades, após a primeira vitória fora de casa para o Brasília por 3 a 0, sofreu uma incrível goleada, logo no 3.o jogo, para o Remo por 5 a 1, fora de casa, em uma tarde inspirada de Bira, mas superou um início de crise vencendo bem o Caxias por 3 a 0 no Brinco de Ouro, e só perdendo mais um jogo nessa fase para a Portuguesa por 2 a 0 fora de casa, fechando sua pior fase com três vitórias, três empates e duas derrotas, ficando em 4.o colocado no seu grupo.

No 1.o turno da fase final o time explodiu, vencendo logo de cara o Internacional, em Porto Alegre por 3 a 0 e faturando 3 pontos, no segundo jogo um empate com o Goiás em 1 a 1, fora de casa, e depois quatro jogos sucessivos no Brinco de Ouro e quatro vitórias, viajando depois para o Paraná, já classificado, para mais uma vitória contra o Londrina por 1 a 0, terminando o 1.o turno da fase final como 1.o colocado do seu grupo com 15 pontos.

Começa o 2.o turno da fase final contra o Sport que acabou o 1.o turno da fase final em 2.o lugar no seu grupo, com o mesmo número de pontos que a Ponte Preta, mas se classificou por ter quatro vitórias, duas a mais que a Ponte. No primeiro jogo em Recife, Zenon abre o placar cobrando penâlti aos 19 min. Do 1.o tempo, aos 30 min. Do 2.o tempo Neneca despacha para a frente a bola cruza o meio campo, a bola pinga pela 1.a vez no campo de ataque e pela 2.a vez já no interior da área do Sport, antes de pingar pela 3.a vez Capitão alcança e com um toque da um chapéu no zagueiro do Sport, com mais um toque tira do mesmo zagueiro e ajeita para chutar na saída do goleiro Gilberto do Sport fazendo 2 a 0 para o Guarani. No segundo jogo, em Campinas, o Bugre não toma conhecimento do adversário, logo aos 10 min. Do 1.o tempo Zenon toca para Zé Carlos que toca para Miranda que estava penetrando pelo meio da zaga do Sport e com apenas um toque fica na cara do goleiro do Sport só tocando na saída do goleiro para marcar 1 a 0. No início do 2.o tempo Mauro pela direita faz a volta no lateral esquerdo do Sport, vai para a linha de fundo e perto do pau de escanteio cruza para a área, Careca divide com o goleiro e mais dois zagueiros do Sport, a bola sobra na direita para Capitão chutar cruzado e marcar o 2.o , 10 minutos depois Renato sai jogando e lança Capitão que entrando pelo meio da um toque e encobre o goleiro do Sport marcando o 3.o, já quase no final Renato vêm conduzindo pelo meio de campo, e mesmo levando falta, toca para Careca na direita que penetrando devolve no meio da pequena área para Renato tocar e fazer o 4.o gol do Bugre.

O jogo termina com o Guarani goleando por 4 a 0, com direito a invasão de campo pela torcida, para a comemoração, era o Bugre classificado, tendo que enfrentar o Vasco da Gama, do almirante Heleno Nunes, presidente da CBD e que tinha a vantagem, com 50 pontos contra os 46, do Guarani.

Em Campinas, o Vasco da Gama bastante desfalcado, sem quatro titulares, se planta na defesa, aos 48 min. do 1.o tempo Bozó cruza, Orlando tenta cortar e acaba marcando contra, no início do 2.o tempo Zenon lança Capitão que penetra e cruza para Renato, que entra pelo meio, tocar no canto de Mazaropi, com calma o Guarani vence por 2 a 0. No Maracanã, cerca de 3 mil torcedores do Guarani estão presentes, para um público de 101 mil pagantes, o Guarani faz um gol logo no começo, Neneca despacha, a bola cruza o meio campo, Marco Antônio cabeçea, a bola bate nas costas de Careca e sobra para Renato, que avança e toca entre Guina e Marco Antônio para Bozó, que deixa de calcanhar para Careca, que com um toque sai do marcador e o deixa no chão, com outro toque sai de Orlando, Careca vai chutar mas no último instante troca de pé e ajeita para Zenon que vem de traz acertar um tirombaço de fora da área no ângulo de Mazaropi; terminando o primeiro tempo em vantagem, no segundo tempo aos 20 min. Zenon de novo, cobrando falta, no ângulo, sem defesa, fazia o segundo; aos 37 min. Dirceu diminui para o Vasco. Terminado o jogo, o Guarani está na final.

O primeiro jogo da final contra o Palmeiras acontece no Morumbi, com um público de 99.829 pagantes, segundo os jornais de Campinas, saíram 343 ônibus da cidade mais um grande número de carros particulares rumo ao Morumbi, juntando-se a um grande número de torcedores na Capital, foi um jogo nervoso com seis cartões amarelos, entre eles Zenon que tomou o 3.o da série e ficava de fora da decisão e a expulsão de Leão aos 25 min. do segundo tempo após uma agressão em Careca, que resultou em pênalti, como o Palmeiras já tinha feito as duas substituições permitidas na época, Escurinho que tinha entrado no lugar de Sílvio vai para o gol, Zenon cobra o pênalti rasteiro no canto direito convertendo aos 31 min. do segundo tempo, terminando o jogo com o Placar de 1 a 0 para o Bugre.

Final de Campeonato no Brinco de Ouro em Campinas, dia 13 de agosto de 1978, no final do 1.o tempo, depois que Gomes atrasa uma bola para Neneca, o goleiro bate a bola no interior da área e despacha para a frente, a bola resvala na cabeça de Capitão e vai para o interior da área do Palmeiras seguida por Beto Fuscão e Careca, o centroavante do Guarani consegue com um toque roubar a bola que vai na esquerda para Bozó, que fecha e chuta, Gilmar rebate com o pé esquerdo, Careca entra certeiro, chuta rasteiro no canto direito de Gilmar, marcando 1 a 0 para o Guarani aos 37 min. do 1.o tempo.

Terminando o jogo o Guarani Futebol Clube, do técnico Carlos Alberto Silva, é Campeão Brasileiro de 1978, uma façanha inédita no nosso futebol. Pela 1.a vez um time do interior conquista este título. Zenon e Careca foram os artilheiros do time com 13 gols, num time onde só Neneca, Edson e Zé Carlos não marcaram gol. Os artilheiros do Campeonato foram Paulinho do Vasco com 19 gols, Toninho do Palmeiras com 18 e Dé do Botafogo-RJ com 16 gols.

Foi um time essencialmente competitivo, solidário em campo sem se descaracterizar tecnicamente, sem que seus jogadores perdessem a liberdade de criação e de movimentação em campo, conseguindo sucesso pela livre ação dos seus jogadores em campo, mostrando um grande futebol. Teoricamente o time jogava num 4-3-3, mas era difícil perceber essa esquematização, com um entendimento muito bom no meio campo, com Zé Carlos e Zenon sempre se revezando em suas funções, sendo as vezes difícil dizer quem era o volante e quem era o armador, mudando de posição de acordo com a marcação e o esquema do adversário, as vezes o time jogava num 4-2-4 diferente do esquema clássico pela mobilidade do time, com uma linha de quatro zagueiros, Zé Carlos e Zenon no meio campo, e quatro atacantes, com Renato voltando para buscar jogo, os pontas Capitão e Bozó também se empregavam no combate.

Participaram da Conquista do Título:
Ricardo Chuffi – Presidente,Carlos Alberto Silva – Técnico,Hélio Maffia – Preparador Físico e todos os demais membros da Comissão Técnica.

Os jogadores: Neneca, Mauro, Gomes, Édson, Miranda, Zé Carlos, Renato, Zenon, Capitão, Careca, Bozó, João Roberto, Odair, Silveira, Alexandre, Tadeu, Manguinha, João Carlos, Claudinho, Gersinho, Adriano, Antônio Carlos, Macedo e Cuca.

Todos os torcedores do Guarani Futebol Clube.

Colaboração: Moises Cunha

Advertisement
Advertisement

Assista o Papo de Bugrino 5 – Criciúma x Guarani


	
	
	

Clique para ativar o som

Próxima Partida – 28/05 21:30

Brasileiro - Série B

Guarani FC X Brasil de Pelotas-RS

Estádio Brinco de Ouro da Princesa
Campeonato Brasileiro - Série B

+ Recentes

Copyright © Planeta Guarani - Todos os Direitos Reservados - Permitida Divulgação Apenas com Preservação da Fonte - Desenvolvido por: OZ Sites.